(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Um conjunto de dicas de estudo para os exames nacionais mais realizados: Português, Física e Química A, Matemática A e Biologia e Geologia.

Fernando Pessoa disse na sua célebre obra Mensagem que “Quem quer passar além do Bojador/ tem que passar além da dor”. Não é sobre descobrimentos que eu vou falar mas é algo que se equipara ao “cabo Bojador” na viagem do acesso ao ensino superior. Falarei sim sobre os exames nacionais. Um nome que suscita medo e arrepios a todos os estudantes que pretendem aceder à universidade.

De um modo geral, os exames nacionais não são fáceis. Por isso, o sucesso nos exames nacionais passa por duas coisas: muito estudo e um estudo direcionado. É inegável que é preciso muito estudo, horas a fio a estudar para os exames nacionais. No entanto, tão ou mais importante que a quantidade do estudo, é a qualidade do mesmo. O estudo para os exames nacionais deve ser dirigido, isto é, deve ter em conta as propriedades e tipologias das questões desses mesmos exames. Por isso mesmo, não há uma “chave mestra”, uma solução que se aplique a todos os exames. Assim, deixo aqui o meu método de estudo para os exames nacionais das disciplinas do curso de Ciências e Tecnologias.



 

Física e Química A

O exame de Física e Química A é um exame muito multifacetado no que toda às suas questões. Assim, o estudo para este exame deve ter isto em conta. As questões deste exame geralmente dividem-se em três grandes grupo: questões teóricas, questões práticas e questões laboratoriais-experimentais.

Por um lado, existem sempre 2 a 4 questões de caráter teórico (repetindo muitas vezes os temas) que incidem sobre determinados temas teóricos, leis ou princípios e que implicam um bom domínio destes temas. Assim sendo, o estudo de cada unidade deve começar por esta parte: adquirir noções teóricas, aprender os conceitos, as fórmulas e unidades. Há temas teóricos muito recorrentes, por isso aconselho a colocarem esses temas na calculadora gráfica. A título de exemplo pode-se referir o princípio de Le Chatelier ou as propriedades periódicas dos elementos.

Por outro lado, existem muitas questões de caráter prático pelo que praticar essas questões é muito importante. Principalmente ter em conta os erros e aspetos que podem levar desconto no exame. No exame de Física e Química existem vários tipos de erros que podem levar a desvalorizações parciais das respostas: erros de algébricos, aritméticos, ausência ou incorrecção de unidade… Acho que vale a pena lerem os critérios gerais que saem antes do exame para evitarem erros desnecessários.

E por último convém sempre dominar as atividades experimentais, uma vez que constituem 30% do exame. Façam uma lista das APL todas e vejam os protocolos, seguidamente peguem em exercícios que analisem os aspetos mais importantes destas experiências. Tenham cuidado porque os critérios contemplam uma desvalorização por causa de erros de algarismos significativos neste tipo de grupos por isso estudem bem as suas regras. Por outro lado convém sempre saber calcular erros e incertezas para estes grupos das experiências  bem como saber traçar retas de regressão linear ou outros  modelos matemáticos.

Em termos de recursos sugiro os seguintes:

  • O site do IAVE ou o livro do IAVE: são indispensáveis no estudo para o exame, uma vez que tal como vem na matriz do exame, contém exercícios que constituem bons exemplos daquilo que vos poderá sair no exame. Aconselho a que analisem os critérios e as correções cuidadosamente ( as correções podem ser encontradas no site da sociedade portuguesa de química e da de física)
  • O livro Problemas de Física e Química A da Editorial Presença: é um livro excelente pelo grau de dificuldade dos exercícios e pelos raciocínios que implica. Para além disso tem a análise de todas as experiências e grupos que misturam física e quí Não aconselho que o façam se ainda não dominam os outros recursos.
  • O livro Provas Modelo da Asa Editores é um livro muito bom para fazer na época de exames uma vez que tem provas muito parecidas com o exame nacional.
  • Em termos de recursos teóricos aconselho que recorram ao vosso manual.

 

Matemática A

O exame de Matemática A é entendido como a “prova de fogo” e geralmente é o que estraga mais a vida aos alunos. No entanto, está longe de ser um “bicho papão”.

As questões do exame de matemática A dividem-se em 5 grandes tipos, a saber: escolhas múltiplas, cálculos, demonstrações, perguntas que recorram às potencialidades da calculadora gráfica e perguntas que envolvem a produção de textos.

O estudo para o exame de matemática A é muito simples: praticar, praticar e depois praticar ainda mais. Convém ter-se em conta os aspetos que podem levar ao desconto de pontos nos exames nacionais. Aconselho ainda a analisarem cuidadosamente os critérios, uma vez que muitas vezes as questões são muito idênticas e por isso tem critérios também semelhantes. Aconselho ainda a tentarem fazer os exercícios o mais rápido possível (como se estivessem treinar para uma corrida) porque o exame é extenso e por isso um treino de rapidez pode ser importante.

As perguntas de escolha múltipla e de cálculo implicam apenas pratica (geralmente são apenas exercícios de rotina) onde basta aprender o mecanismo (embora eu desaconselhe que decorem métodos).

As perguntas de calculadora gráfica são geralmente fáceis mas trabalhosas e implicam um bom domínio do uso deste recurso. É importante treinar o cálculo de zeros, de intersecções, de extremos para evitar perdas de tempo em exame.

As questões de produção de textos são também muito trabalhosas e geralmente versam sobre dois temas: probabilidades e combinatória ou cálculo diferencial. Podem pedir para justificar um raciocínio (por exemplo porque que uma determinada resposta é a correta e a outra é errada) ou então podem pedir para escolher uma resposta (por exemplo são quatro gráficos e pedem para escolher aquele que corresponde às informações dadas). Tenham em atenção porque o uso da língua portuguesa é avaliado nestas questões.

As questões de demonstração geralmente são as mais complexas e podem integrar todos os temas. Convém que dominem muito bem todos os teoremas, axiomas, propriedades e regras para conseguir chegar à conclusão pedida. Tenham em conta os erros formais neste tipo de questões.

Em termos de recursos, para além do site IAVE ( que deve ser sempre o ponto de partida como referi em cima) sugiro o livro Preparar o exame de Matemática A da Raiz Editora bem como as fichas e provas tipo do Professor José Carlos Pereira (página Recursos para Matemática).



 

Biologia e Geologia

O exame de biologia e geologia tem uma estrutura muito sui generis . No geral as questões do exame de biologia dividem-se em questões de resposta direta (avaliam o conhecimento factual) ou questões de raciocínio científico.

O exame de biologia e geologia implica um domínio completo da matéria, contudo isso não chega. Assim, para o exame de Biologia e Geologia aconselho a que saibam TUDO, todos os pormenores e todos os aspetos possíveis e imaginários. As questões factuais baseia-se no mero conhecimento dos factos e dos processos.

A partir desse ponto, aconselho a que façam mapas mentais para relacionar a matéria (uma vez que em exame é assim que a matéria é testada) e por fim e mais importante, aconselho a façam todos os exames possíveis e imaginários e exercícios tipo. É muito importante treinar a interpretação de textos, de artigos científicos ou de cartas geológicas, uma vez que isso é o mais importante para responder a questões de raciocínio que apelam muitas vezes à análise de recursos.

Tenham cuidado no vocabulário científico e na estruturação do discurso pois isso é avaliado nas questões de desenvolvimento. Tenham ainda atenção que o exame de Biologia e Geologia muitas das vezes incidem sobre temas marginais ao programa ou exceções por isso pode ser útil analisarem esses pormenores.

Em termos de recursos destaco:

  • Livros do IAVE e o site
  • Exercícios de Biologia e Geologia 11° da Porto Editora: um excelente livro de apoio que segue fielmente a tipologia de exames.
  • Provas Modelo da Asa Editores: um livro que contém muitas provas modelo para fazer na época de exames.
  • Para estudar a teoria aconselho os Guias de Estudo da Porto Editora.

 

Português

De todos os exames indicados, este é o mais difícil de estudar porque ele não incide sobre matéria concreta. Tendo em consideração a nova estrutura do exame nacional este divide-se em três partes: interpretação, gramática e texto argumentativo.

A interpretação incide sobre duas obras (sendo uma de 12º e outra de 10°/11°). Contém um excerto sobre o qual são feitas questões. É importante saber bem o contexto da obra mas também a sua estrutura (para se poder inserir o excerto). É preciso dar especial atenção ao valor expressivo de figuras de estilo e a simbologias que a obra possa apresentar. Leiam o excerto com muita atenção e tentem identificar nesse excerto carateristicas que estudaram.

A gramática, que é apresentada sob a forma de um texto com questões de escolha múltipla e de resposta curta, implica apenas um estudo das regras (dando ênfase nos seguintes temas – sintaxe, orações, deixis, coesão e coerência textual).

A composição é  um texto argumentativo no qual é pedido uma tomada de posição sobre um determinado tema geral. Aconselho a que façam um plano de texto antes de começarem a escrever. Definam bem a vossa tese, contextualizem o tema e esclareçam todos os conceitos na introdução. No desenvolvimento deve se apresentar dois argumentos bem como dois exemplos ilustrativos. E na conclusão deve-se reforçar a tese, sintetizar o texto e apelar à ação. Não esquecer a devida articulação do texto e evitem usar clichês.

Recursos para português:

  • O site do IAVE
  • Aconselho as análises das obras da editora Ideias de Ler (livros amarelos e pretos) que são muito bons no que toca à
  • Provas Modelo da Asa Editores que é um livro excelente embora a topologia das questões ainda não esteja atualizada.
  • Preparar os exames da Porto Editora: é o único livro da coleção que eu recomendo por ter a matéria muito bem explicada e bons exercícios para treinarem.

 

Em suma, aconselho a que estudem muito para os exames nacionais. Devem planear o estudo ao longo do ano e ir revendo a matéria dada (por exemplo nas férias de Natal e da Páscoa – sim eu sou masoquista). Se fizerem isto chegam à época de exames mais calmos e com o estudo feito. Boa sorte 🙂