Inovação em ar, terra e mar: conhece as Licenciaturas em Ciências do Mar e Meteorologia, Oceanografia e Geofísica da Universidade de Aveiro

Foto do Departamento de Física da Universidade de Aveiro

Desde a sua fundação que a aposta de Universidade de Aveiro vai para cursos em áreas inovadoras, não exploradas pelas instituições de ensino superior tradicionais, e em domínios com correspondência na estrutura produtiva regional e nacional.

Neste artigo apresentamos-te dois desses cursos, os quais são integrados no Departamento de Física (DFis): a Licenciatura em Ciências do Mar e a Licenciatura em Meteorologia, Oceanografia e Geofísica.

Sobre o Departamento de Física

É um dos 20 departamentos e escolas que constituem a Universidade de Aveiro, oferecendo aos seus alunos uma formação moderna, ambiente único e docentes e investigadores altamente qualificados.

A atual oferta formativa do Departamento passa por 7 Licenciaturas, 6 Mestrados e 7 Doutoramentos. Para além disso, distingue-se pela investigação de relevo que efetua em 20 subáreas da física incluídas no Web of Science, com uma elevada probabilidade de ser o único departamento a nível nacional que possui 3 programas doutorais financiados pela FCT e ainda 3 laboratórios classificados como excelente.

Conhece a Licenciatura em Ciências do Mar (LCM)

A Licenciatura em Ciências do Mar tem como objetivos oferecer uma formação atual, abrangente, multi e interdisciplinar focada na compreensão dos sistemas marinhos e suas interações com o meio e com o Homem, proporcionando uma visão integrada dos assuntos do Mar.

Para isso, este curso permite o desenvolvimento de variadas competências: recolha, análise, interpretação e compreensão de dados oceanográficos; de modo a possibilitar a tomada de decisões fundamentada com base em conhecimentos de biologia, ciências do ambiente, geociências, física e química dos ecossistemas marinhos, como demonstrado no seu Plano Curricular.

Além disso, podes beneficiar de uma Bolsa de Mérito, especialmente destinada a três estudantes que tenham sido colocados neste curso, sendo este a sua 1ª opção, através Concurso Nacional de Acesso. Neste link podes saber mais sobre os requisitos de elegibilidade desta Bolsa financiada pela Universidade de Aveiro e uma empresa parceira.

Conhece a Licenciatura em Meteorologia, Oceanografia e Geofísica (LMOG)

A Licenciatura em Meteorologia, Oceanografia e Geofísica proporciona aos seus alunos uma formação de base sólida em ciências da terra, da atmosfera e do oceano, com especial ênfase nos processos físicos.

O seu Plano Curricular foi assim concebido para proporcionar um desenvolvimento não só de capacidades críticas e analíticas ao nível da resolução de problemas, especialmente relacionados com as ciências da terra, da atmosfera e do oceano, como de competências intelectuais, práticas e de trabalho de campo, relacionadas com a recolha, análise, interpretação e compreensão de dados atmosféricos, oceanográficos e geofísicos.

Mas será que há mais coisas para descobrir nestas duas licenciaturas? Temos a certeza que sim, e por essa razão fomos conversar com a Bárbara Silva, estudante do 2º ano da Licenciatura em Ciências do Mar, e com a Ana João, estudante do 3º ano da Licenciatura em Meteorologia, Oceanografia e Geofísica, a quem agradecemos pela disponibilidade para nos ajudarem a entender um pouco melhor o que tens à tua espera nestes dois cursos do Departamento de Física.

Podes contar-nos um pouco sobre o teu percurso académico e o que te levou a escolher este curso na Universidade de Aveiro?

B.S.: Desde o secundário que um curso na vertente da Física ou da Química me fascinou, e sendo sincera, esta licenciatura era algo que eu não conhecia até me ter deparado com a altura de escolher o próximo passo no mundo académico, a entrada na universidade. Desde cedo, apesar de apresentar interesse em algumas áreas específicas, era difícil encontrar aquele curso que, na minha visão, fosse de encontro às minhas expectativas. À semelhança de muitos estudantes, muitas vezes deixamo-nos levar pela pressão de entrar num curso que seja do agrado à nossa família e professores, e talvez o menos conhecido ou falado é muitas vezes colocado de parte. De certa forma, acho que a minha decisão se fundou em realmente colocar isso de lado, e pesquisar toda a informação que consegui sobre as áreas que mais me interessavam e depois selecionar uma universidade onde eu achasse que essa área pudesse ser bem desenvolvida.

A Licenciatura de Ciências do Mar na Universidade de Aveiro foi a minha 3ª opção, e hoje posso dizer que se tivesse de voltar a escolher, não teria optado por qualquer outro curso. Esta licenciatura trata-se de um curso que dinamiza muitas vertentes, tal como a Física, Química, Biologia, Oceanografia, entre muitas outras … e algo que acho extremamente importante é a capacidade que este curso apresenta em proporcionar momentos práticos, sobre diversos aspetos, aos estudantes.

A.J.: O meu percurso académico foi com alguns baixos devido à pandemia e aos confinamentos que tivemos que sofrer e devido a isso sinto que não tive o percurso completo de um estudante normal na universidade. Eu ao início não queria sequer ingressar na universidade e foi mesmo nos últimos dias de candidaturas que encontrei esta licenciatura. Encontrei então a licenciatura, vi que entrava com a minha média e ingressei.

Só entrei na segunda fase e isso foi o mais complicado, é muito exigente para quem entra na segunda fase e depois tem que entrar num ritmo a qual não está de todo preparado ou mesmo habituado.

Ao longo destes três anos fiz parte do Núcleo de Estudantes de Meteorologia Oceanografia e Geofísica (NEMOG) e também da MarnoTuna, a tuna Mista da Universidade de Aveiro. Para além de fazer as unidades curriculares ao longo do semestre também me envolvi em atividades para puder viver um pouco mais e não ser só casa, estudo e estudo, casa. É uma forma de melhorar o meu percurso académico.

“Enquanto estudante da Licenciatura de Ciências do Mar, posso dizer que a Universidade aposta em professores capazes de facultar aos alunos uma experiência mais prática sobre as temáticas que são abordadas nas aulas.”

Bárbara Silva, aluna de Ciências do Mar na Universidade de Aveiro

Quais eram as tuas expectativas em relação ao curso? Sentes que foram superadas?

B.S.: Quando entrei para este curso, o meu maior receio passou muito pela insegurança de se realmente seria capaz de ultrapassar todos os desafios que me seriam colocados à frente. Após assistir a algumas aulas, percebi que este curso teria as suas peripécias e não seria algo fácil. No entanto, acho que é um curso que me prepara da melhor forma para o mundo profissional e temos docentes interessados, e que procuram mostrar-se como um apoio aos estudantes.

A.J.: Não tinha expectativas nenhumas. Na altura nem vi bem o plano curricular e não estava à espera de haver tanta física envolvida no curso, mas agora consigo perfeitamente entender o porquê de a termos. Sinto que a cada dia descubro algo novo e de cada vez que descubro fico sempre de boca aberta.

Na tua opinião, qual é a importância do teu curso no mundo laboral?

B.S.: Com a crescente chamada de atenção para a sustentabilidade e com Portugal presente na defesa dos Oceanos, estamos, cada vez mais, num momento onde este curso se demonstra valioso, abrindo inúmeras portas na área ambiental, da descoberta, da análise, entre muitas outras.

A.J.: Penso que o meu curso é um curso importante para a área de investigação e para o dia a dia das pessoas que necessitam de entender o tempo que vais estar para puderem sair a rua. Isso é das coisas que uma pessoa quando houve esta licenciatura pensa “Ah então depois vais me dizer como vai estar o tempo”. Obviamente há mais a ser feito. Eu gosto muito de todas as áreas, mas a que tenho mais interesse é a Oceanografia, e seguindo o ramo de investigação, pudemos investigar como é que o nível médio da água do mar influência nos estuários que temos em Portugal, podemos estudar também como é que a maré sobe nas praias. E o que me deixa sempre mais radiante é que quando falamos na Oceanografia nunca falamos só na Oceanografia, há muitas outras áreas que se envolvem, como a Biologia, a Geologia, a Química, etc…

“Enquanto estudante de MOG posso dizer que as maiores vantagens que tenho em estudar na Universidade de Aveiro é que o curso é mais prático, temos componentes mais práticas das unidades curriculares ao longo de um semestre e não é só teórica.”

Ana João, estudante da Licenciatura em Meteorologia, Oceanografia e Geofísica da Universidade de Aveiro

Quais dirias serem as principais vantagens de estudar na Universidade de Aveiro?

B.S.: A Universidade de Aveiro foi umas das que mais me atraiu, principalmente por toda sua dinâmica e pelo apreço que demonstra pelo envolvimento dos estudantes, em todas as atividades que vão realizando ao longo de cada ano letivo.

Enquanto estudante da Licenciatura de Ciências do Mar, posso dizer que a Universidade aposta em professores capazes de facultar aos alunos uma experiência mais prática sobre as temáticas que são abordadas nas aulas, assim como temos vários momentos em que temos oportunidade de sair da universidade e experienciar em mão o que vamos aprendendo ao longo do curso.

No geral, a Universidade mantém-se sempre presente no nosso percurso académico, principalmente no que toca a elaborar atividades e eventos que permitam ao estudante a sua integração nesta nova fase. Desde momentos lúdicos e culturais, até experiências sociais, acho que esta universidade é uma boa escolha.

A.J.: Enquanto estudante de MOG posso dizer que as maiores vantagens que tenho em estudar na Universidade de Aveiro é que o curso é mais prático, temos componentes mais práticas das unidades curriculares ao longo de um semestre e não é só teórica. Em comparação com alunos de MOG de uma outra universidade não vejo tanto isso. Apesar de muitas vezes dizer que há certas disciplinas que não importam para o curso, a realidade é que tudo está interligado e então há sempre um raciocínio a seguir ao longo do curso. Outra vantagem em estudar na Universidade de Aveiro é que há sempre a preocupação de melhorar, temos sempre muitas avaliações a fazer depois de um semestre de aulas quer ao professor, quer ao método de avaliação e isso ajuda muito a evoluir o curso.

O que é que um futuro aluno pode esperar do teu curso e da Universidade de Aveiro?

B.S.: Para os futuros alunos deste curso e da UA, acho que algo com o qual se devem mentalizar é que todas as aulas vão requerer bastante esforço. Pessoalmente, apesar de algumas aulas serem difíceis, acho que algo que me ajudou bastante foi a ajuda que recebi por parte de alunos mais velhos. Sei que muitas vezes ler isto, pode parecer muito simplista ou talvez até muito complicado para alguns. A realidade, é que a nossa experiência no curso passa também pela interação que temos com outros estudantes, e acreditem que o sentimento de cooperação e ajuda é algo que vos vai apoiar bastante nesta nova fase. Nesta licenciatura, quando entrei, encontrei alunos dispostos a ajudar, e sempre com a preocupação de esclarecer qualquer tipo de dúvidas, por mais banais que nos possam parecer.

A nível de relação professor-aluno penso que os professores tentam sempre dar o seu melhor e entender o estudante, claro com algumas exceções, mas sou da opinião de que geralmente os alunos tem uma boa relação com os professores. No que toca a Diretores, nomeadamente do curso e do Departamento de Física (Departamento correspondente a esta licenciatura), estão sempre preparados a apoiar e a acompanhar o estudante no seu percurso académico. No meu caso, já é o segundo ano que faço parte do Núcleo de Estudantes de Ciências do Mar, onde tive a oportunidade de assumir o cargo de vogal no setor pedagógico, e mais tarde como coordenadora, e posso dizer-vos que os docentes se demonstram sempre atentos e envolvidos nas atividades que realizamos, e pretendemos desenvolver para os estudantes.

Aproveitando o que acabo de referir, acho que o Núcleo de Estudantes é um ótimo passo para desenvolverem novas amizades e novos contactos, não só na universidade, mas também no exterior, que podem muitas vezes ser propícios profissionalmente. Para além do Núcleo, existem muitas outras atividades, projetos e eventos que o Departamento de Física e a UA desenvolvem, tal como oportunidades de cursos intensivos, que proporcionam um bom desenvolvimento académico.

A.J.: Em relação ao curso pode esperar do melhor que há. Como somos poucos alunos a ingressar em MOG, o curso acaba por ser uma pequena família e estamos sempre juntos no dia a dia, quer seja na universidade, ou no departamento, estamos sempre a olhar uns pelos outros e ajudamo-nos. Todos sentimos as dificuldades e a exigência que o curso tem e desta forma não te sentes sozinho a ultrapassar essas mesmas dificuldades.

Em relação à Universidade de Aveiro há sempre atividades extracurriculares que podemos fazer e há também atividades que a Associação Académica da Universidade de Aveiro realiza e que podes participar e tirar o melhor aproveito destas.

Por último, o que gostarias de dizer a um futuro aluno, para que este tire o maior proveito possível de tudo o que o teu curso e a Universidade de Aveiro têm para lhe oferecer?

B.S.: Um dos conselhos que tento sempre transmitir é o de não terem receio em expor as vossas dúvidas e tentarem ao máximo, participar nas atividades que são propostas a todos os estudantes. Acho que um bom percurso académico se reflete em tentarmos ser alunos exemplares, mas sem esquecer a parte cultural e social. Para todos aqueles que derem o primeiro passo nesta universidade, devem sempre demonstrar-se curiosos e focados, mas também sempre prontos para se aventurarem nos convívios, festas e conversas, que a fim ao cabo, acabam por nos formar não só academicamente, mas também a nível pessoal. 

A.J.: O conselho que gostaria de dar a esse futuro aluno é para ele aproveitar todos os momentos. Quer seja como aluno do curso, quer seja parte do núcleo de estudantes, aproveita. Três anos parecem muito, mas passam a correr e há momentos em que simplesmente temos que viver. Claro que estamos a trabalhar para o nosso próprio futuro, mas não nos podemos esquecer de viver o nosso presente. Portanto, saí a noite, saí de tarde, vai para um café estudar com amigos ou só conviver, não fiques em casa quando te sentes mais desanimado, vai para o departamento do teu curso e socializa e fala e passeia. Dá para fazer tudo se soubermos gerir o tempo e não temos que abdicar de algo que nos faça feliz para poder estudar.


Relembramos que a 1ª fase do Concurso Nacional de Acesso tem início no próximo dia 25 de julho. Enquanto não fazes a tua candidatura para te tornares o próximo aluno da Universidade de Aveiro, deixamos-te uma visita virtual 360º através da qual poderás conhecer melhor a tua futura Universidade para os próximos 3 anos. Resta-nos desejar-te toda a sorte do mundo para esta nova fase da tua vida. Vai em frente!

Artigo elaborado em parceria com o Departamento de Física da Universidade de Aveiro.