(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Na quarta-feira passada, 11 de março, tinha começado o período de inscrição para a primeira fase dos exames nacionais do ensino secundário, terminando a 24 de março. As datas são para manter, segundo a decisão da tutela (embora nada tenha dito, para já, sobre a realização dos exames). A diferença é que os alunos não terão de fazê-lo nos estabelecimentos escolares, devendo ser “definido um procedimento para que os alunos não necessitem de se deslocar à escola para a inscrição”.

Como serão essas regras ainda não é claro, mas nos próximos dias as escolas deverão anunciá-las, privilegiando os meios eletrónicos. São os alunos dos 11.º ano e 12.º ano quem realiza os exames nacionais (entre junho e julho) e que contam para a média do ensino secundário e para o acesso ao ensino superior.



Por agora, não houve indicações do Ministério do Ensino Superior no sentido de que a data de apresentação de candidatura à primeira fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior (21 de julho e 5 de agosto) possa sofrer alterações.

Haverá notas no 2.º período

Antes das férias da Páscoa os alunos serão avaliados. Esta era outra dúvida de pais e professores: como seria feita a avaliação dos alunos, uma vez que na maioria dos casos as semanas de testes iriam começar a 16 de março, dia que passou a ser a data de encerramento das escolas.

No entanto, o ministro da Educação já tinha deixado claro que este encerramento não é sinónimo de férias e que seria necessário procurar novas formas de trabalho. Aliás, no documento enviado às escolas, a tutela sublinha ser “muito importante” que a comunicação feita às famílias seja acompanhada de uma “recomendação forte” para que sejam cumpridas as regras de higiene, de distanciamento social e, sobretudo, “de contenção da participação dos alunos em atividades, iniciativas e deslocações a locais que potenciem o contágio”.

Para que possa haver notas dos alunos, a orientação é clara: “A avaliação sumativa do 2.º período será efetuada no período normal, com base nos elementos disponíveis nesse momento (incluindo os ainda a recolher) e no caráter contínuo da avaliação.”