(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Os jovens portugueses são dos que mais tarde saem de casa dos pais, quase aos 29 anos, acima da média da União Europeia, segundo dados de 2017 divulgados esta terça-feira, 14 de Maio, pelo Eurostat.

gabinete estatístico europeu destaca que em 2017 mais de um terço (35,3%) de jovens do sexo masculino entre os 25 e os 34 anos viviam em casa dos pais em 2017, comparados com um quinto (21,7%) de jovens do sexo feminino. Esta tendência é acompanhada por Portugal, com 50,8% de jovens adultos a viverem com os pais em 2017, contra 40,5% de jovens adultas. Em média, uma em cada quatro pessoas entre os 25 e os 34 anos (28,5%) vivia em casa dos pais em 2017, com Portugal a chegar aos 45,6%.



A Croácia (31,8 anos em média), a Eslováquia (30,9 anos), Malta (30,7) e Itália (30,1) são os países onde os jovens vivem durante mais tempo em casa dos pais, ultrapassando a fasquia dos 30 anos, seguindo-se a Bulgária (29,6 anos), Espanha (29,5), Grécia (29,3) e Portugal (28,9).

No extremo oposto, a Suécia era em, 2017, o país onde os jovens mais cedo saiam de casa dos pais (18,5 anos), seguindo-se o Luxemburgo (20,1), a Dinamarca (21,1), a Finlândia (22,0), a Estónia (22,2), Alemanha, França e Holanda (23,7 cada) e o Reino Unido (24,7 anos).

A percentagem de jovens a viver em casa dos pais em 2017 variava entre os 3,2% na Dinamarca e os 59,7% na Croácia. O gabinete estatístico europeu divulgou estes dados no âmbito do Dia Internacional das famílias, que se assinala na quarta-feira.

Em Dezembro de 2018, o Eurostat dava conta que um em cada seis jovens portugueses entre os 15 e os 29 anos vive em habitações demasiado cheias onde pode não existir uma divisão comum entre os moradores, por exemplo. Já em 2015, o Eurostat, divulgando estatísticas de 2014, confirmava que os portugueses eram dos que saíam mais tarde de casa dos pais, aos 29 anos.