Lágrimas noturnas que sonham ser vertidas para poder ver o mar insular que, um dia, rasgou um peito de saudades. 

Abandono de uma origem por um bem maior. São anos de saudade, anos de tristeza, incompletos e não facilitados. Ser dos Açores implica esquecer a saudade, implica noites, e até dias de choro, sentir falta de aqueles que faziam parte do teu dia, abandonar quem te viu nascer, vendo na sua face também o medo e desespero de te deixar ir. Estás contigo mesmo.  



Ser estudante açoriano é muito mais do que longas viagens até casa poucas vezes no ano, ser estudante açoriano é ser corajoso, abandonar a ilha sem ter a certeza de quando voltar.  

Chegar a uma cidade e começar do zero, sem nunca ter começado do zero antes. São dúvidas simples, mas monstruosas, são dias longos, aqueles em que só se considera desistir de tudo e voltar para o tão desejado Portugal insular. 

Ser estudante açoriano é criar uma nova família, aquela que te acompanhará durante anos, que estará lá para secar as tuas lágrimas insulares, que estarão lá para te fazer sentir em casa e para serem a tua casa. Obrigado Coimbra por colocares pessoas fantásticas na minha vida. Obrigada a todos aqueles que acolhem um açoriano.  

Obrigado Coimbra, que por tantos meses, me fazes esquecer a saudade. 

E nunca te esqueças “Podem tirar-te da ilha, mas não tiram a ilha de ti”.