(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Apenas 2445 estudantes alteraram as suas candidaturas ao ensino superior, escolhendo cursos diferentes daqueles a que inicialmente tinham concorrido ou mudar a ordem dos cursos escolhidos, noticia o Público. Este número corresponde a menos de 4% dos candidatos.

As candidaturas ao ensino superior estiveram novamente abertas entre 9 e 11 de setembro. A 1.ª fase do concurso nacional tinha terminado a 23 de agosto, mas dias depois, a 27 de agosto, surgiu a decisão por parte do Governo de alargar o número de vagas. O Governo autorizou as universidades e institutos politécnicos a destinar ao regime geral de ingresso as vagas que não forem usadas nos concursos especiais, o que é habitualmente destinado aos estudantes internacionais. Foram criadas, assim, 4737 vagas adicionais.

No novo prazo, os alunos que já tinham concorrido podiam alterar os cursos a que se candidataram ou a ordem das preferências.



O Governo teve de abrir esta prerrogativa na sequência do aumento extraordinário do número de vagas para o novo ano letivo. Estas regras fizeram o número total de candidatos aumentar, já que permitem a 120 alunos, que não se tinham apresentado à 1.ª fase, entrarem ainda no concurso. Este número foi avançado ao Público pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

“Como as condições que estavam definidas à partida foram alteradas, tinha de haver uma solução como esta, que desse aos alunos a possibilidade de concorrerem ou mudarem a sua candidatura tendo em conta o novo contexto”, justifica ao Público o presidente da Comissão Nacional de Acesso ao Ensino Superior (CNAES), João Guerreiro.

Para o responsável, o número de alunos que mudaram a candidatura é “relativamente reduzido”. “É sinal de que a maioria dos candidatos está convicta das opções que tinha tomado”, disse ao Público.

Os resultados da 1.ª fase do concurso são anunciados no dia 28 de Setembro, data que não muda nos calendários de acesso ao ensino superior. O processo de colocações “está a decorrer normalmente”, assegura o presidente da CNAES.

O número de candidatos ao ensino superior, este ano, mostrava que é o ano mais concorrido em duas décadas, mas, com os 120 novos candidatos que se apresentaram ao concurso nacional no prazo extraordinário, o total de aumenta para 62.795.

Com algumas dezenas de estudantes que não puderam fazer os exames do ensino secundário em julho por causa da Covid-19, por estarem infectados ou terem alguma pessoa próxima doente, o número total de candidatos ao ensino superior ainda vai subir. Essas dezenas foram autorizadas a fazer as provas nacionais na 2.ª fase, que decorreu no início deste mês, e podem usar a nota da 2.ª fase ainda na 1.ª fase do concurso nacional de acesso. Os resultados foram conhecidos esta quarta-feira.