(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Eu sei, neste momento estás a questionar como é que alguém pode dizer isto? Bem eu digo e com razão porque não, Erasmus não foi aquilo que eu esperava.

Sempre tive o sonho de viajar pelo mundo e sair da minha zona de conforto, portanto mal surgiu a oportunidade de fazer Erasmus nem pensei duas vezes!

Decidi fazê-lo no segundo semestre do meu segundo ano de universidade.



Depois da candidatura rapidamente chegou 14 Fevereiro, o dia em que parti para Turim. Fui com mais duas pessoas do meu curso, isto tanto se tornou uma benção como uma maldição. Ou seja, agora um deles tornou-se amigo para a vida e tinha sempre algum apoio, no entanto o facto de estar acompanhada com “conterrâneos” fez com que não abrisse tanto os meus horizontes.

Quando chegámos conhecemos logo malta portuguesa, ótimo- pensamos nós- pois aí se repetiu o problema anterior. O facto de ficarmos a conhecer tanta gente portuguesa fez com que quase não falássemos com pessoas de outras nacionalidades.

Se não bebes álcool nem gostas de “sair à noite” e tens a sorte de “cair” numa universidade cuja Esn (associação que apoia os estudantes em mobilidade) apenas faz eventos relacionados com isso mesmo, fazer amizades ou saíres da tua zona de conforto torna-se muito difícil- isto dito por alguém que não toca em ponta de álcool e se encontrou em tal situação.

O maior problema veio mesmo a ser a universidade em si, ou seja, tive imensos problemas burocráticos, as cadeiras ou eram extremamente difíceis ou extremamente fáceis, algumas nem existiam quando lá cheguei! Tive que preencher papéis, enviar, receber e repetir o processo mil vezes!

A cereja no topo do bolo é esforçar-me imenso para ter notas decentes e chegar a Portugal e as conversões de notas me descerem a média mais de 1 valor!

Mas hey, nem tudo é mau, viajei imenso, agora sou fluente em italiano e essencialmente cresci que era realmente o meu objetivo!

Para ti que pensas fazer Erasmus deixo-te umas dicas: não te sintas obrigado a ir; não te sintas mal porque não gostas da experiência; não precisas de sair à noite nem beber álcool; não precisas de “aproveitar ao máximo”; faz as coisas à tua maneira e ao teu ritmo.

Se realmente queres experimentar, vai! Apesar de todos estes lados negativos acredita que os positivos os ofuscam!

Agora, já em Portugal, estão sempre a perguntar-me se gostei de Erasmus e a verdade é esta: não foi aquilo que eu esperava mas voltava a repetir!

Colabora!

Este texto faz parte de uma série de textos de opinião de alunos do ensino secundário e superior sobre a sua visão do ensino e da educação.

Gostavas de publicar um texto? Colabora connosco.