(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Olá! Tenho 19 anos e estou a terminar o meu primeiro ano de faculdade.

 Há já algum tempo que queria escrever sobre o meu percurso no ensino superior até agora mas, só hoje me senti realmente capacitada para o fazer. Para muitos, esta pode ser apenas mais história de uma rapariga cujas coisas não correram como planeado na entrada para a faculdade mas, de certeza que outros tantos, se identificarão com a minha história.

Tal como milhares de estudantes, no ano passado concorri pela 1ª vez para ingressar no ensino superior. Ia cheia de expectativas e cheia de certezas que iria entrar no curso de Psicologia, uma vez que a minha nota de candidatura era 0,5 valores superior à nota do último colocado em 2018.



Chegou setembro, chegou o derradeiro email com o resultado da minha candidatura. Não tinha sido colocada no curso pelo qual tanto tinha lutado. Tinha sim sido colocada na minha 2ª opção (que na verdade nunca tinha sido opção para mim e só a havia colocado, para não ter apenas uma opção). Chorei, não tenho problemas em admitir isso, chorei durante horas e revoltei-me porque toda a gente à minha volta dizia não ser o fim do mundo e eu sentia-me completamente incompreendida por todos, sentia que tinha lutado para nada.

Não vou mentir, os dias que se seguiram foram difíceis, tinha de decidir o que fazer e tinha poucos dias para o fazer. Acabei por decidir matricular-me no curso em que tinha ficado colocada – Ciências da Educação – podia até gostar do curso, podia até ser o melhor para mim.

Tentei adaptar-me ao curso e à turma mas não consegui.  Terminou-se o primeiro semestre, consegui passar todas as cadeiras mas não queria continuar ali, naquele curso e naquela turma. Estava convicta de que era Psicologia que queria e não ia desistir até que, num determinado dia de março, depois de pesquisar cursos e testemunhos, ganhei uma nova certeza e comecei a perceber o porquê das coisas que até ali me tinham acontecido.

Psicologia nunca seria o melhor caminho para mim e, entrar na minha 2ª opção, foi a maneira de perceber o que realmente queria.

Hoje, tenho praticamente terminado o 1º ano do curso de Ciências da Educação, ganhei experiência sobre como são as rotinas de um estudante universitário, já conheço minimamente bem a universidade e, o melhor de tudo, é que hoje sei que a minha vida é no curso de Comunicação (curso para o qual fiz transferência e vou ingressar no próximo ano letivo).

Nem sempre as coisas vão correr como planeado e nem sempre vamos ouvir um sim. Não existem percursos certos, não existem percursos errados, existem percursos reais! E é bom ter isto sempre em mente.

Espero ter conseguido ajudar-te ou inspirar-te se o teu percurso é semelhante ao meu.

Até uma próxima,

Daniela Teixeira

Colabora!

Este texto faz parte de uma série de textos de opinião de alunos do ensino secundário e superior sobre a sua visão do ensino e da educação.

Gostavas de publicar um texto? Colabora connosco.