(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Esta é uma fase que para muitos é de muita ansiedade, muita expetativa, feita de muitas dúvidas mas também de muita incompreensão e é sobre isso que te venho falar hoje, até porque nada melhor do que uma pessoa que passou por esta experiência duas vezes para partilhar algo desta dimensão.

Para muitos alunos do ensino secundário, já existe uma ideia daquilo que querem fazer profissionalmente, para outros continua a existir uma lista em branco, pois muitas são as dúvidas, mas para outros sempre existiu um futuro traçado e é sobre isso que eu venho falar hoje. Quando existe uma espécie de legado familiar, onde todos os filhos de cada geração têm de ter uma determinada profissão ou quando são os pais a escolher o nosso futuro porque acham que isso é o melhor para nós, quase nunca as coisas correm bem. Cada geração tem as suas vivências e cada pessoa é um ser único e tem talentos e gostos únicos e nem sempre os pais compreendem.



A minha primeira experiência no ensino superior foi num curso que foi escolhido pelo meu pai e após estar um ano num curso que odiei e para o qual não tinha a mínima vocação foi-me novamente imposta uma nova alternativa e só quando à terceira vez me deixaram escolher o que eu realmente queria é que encontrei o verdadeiro sentido da frase proferida pelo filósofo Confúcio “Escolhe um trabalho de que gostes, e não terás que trabalhar nem um dia na tua vida”. Posso dizer-te que foi uma luta difícil, foram muitas derrotas, muitas lágrimas derramadas e mesmo muita culpa e um enorme peso nos ombros por não conseguir corresponder às expetativas que tinham traçado para mim mas hoje posso dizer-te que sou a pessoa mais grata do mundo, sou uma excelente aluna, tenho professores que me dizem que um dia serei excelente naquilo que escolhi e por mais críticas que ainda hoje receba, por mais incompreendidos que sejam os teus talentos e sonhos, guarda no coração as palavras que te vou dizer “Nunca é tarde para mudar e se os teus sonhos e talentos fizerem de ti uma pessoa feliz e com vontade de acordar e de sorrir todos os dias, então estás no caminho certo”, cada sonho, cada conquista, apenas tem de fazer sentido para ti e para o teu coração. És tu o escritor do teu livro, cada página representa um dia teu, quando acordares pensa que palavras quererás nessa tua página, até porque nunca saberás quando será a última que irás escrever. A vida é demasiado curta para vivermos a vida que alguém idealizou para nós, a vida é nossa e tudo o que te faz feliz apenas tem de fazer sentido para ti. Podes ser tudo aquilo que quiseres, voares até ao infinito, mas terás de acreditar e se já estiveres numa situação como aquelas pelas quais passei, ganha coragem e recomeça do zero, hoje pode ser um ano perdido mas no futuro serão anos de felicidade e realização pessoal. Não tenhas medo de mudar e de lutar por aquilo em que acreditas, mesmo que mais ninguém compreenda, eu sei que é mais fácil ser igual a toda a gente mas será que naquela multidão de robôs todos estarão felizes? Certamente que não…

Não queiras pertencer a uma multidão de robôs infelizes, mas sim ao grupo de pessoas lutadoras e criativas que lutam a cada dia para que os seus sonhos se tornem realidade. Lembra-te que tudo é impossível até ser concretizado, transforma a tristeza e o sentimento de incompreensão, em força e dedicação e mostra que és capaz de fazer tudo o que idealizaste.

Cairás muitas vezes, irás sentir muito sofrimento e muita frustração, mas são as lutas mais difíceis que nos mostram do que realmente somos feitos 😉

Decide como queres que seja o teu livro e luta para que cada página seja melhor que a anterior pois até o último suspiro abandonar o teu corpo, serás capaz de realizar qualquer coisa.

Colabora!

Este texto faz parte de uma série de textos de opinião de alunos do ensino secundário e superior sobre a sua visão do ensino e da educação.

Gostavas de publicar um texto? Colabora connosco.