(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Não foi desta forma que imaginámos o último dos anos do nosso secundário. Não foi desta forma que planeámos meses que tinham tudo para serem incríveis. Os últimos. Tivemos de dizer adeus à tão esperada viagem de finalistas e, com certeza, a um momento bastante aguardado por todos os alunos que terminam este ciclo: o baile.

O último dos períodos, que era suposto ser vivido de forma intensa, começa em casa. Quantos de nós sentimos falta daquela rotina que agora significa tanto?



No meio deste misto todo de emoções, é perfeitamente normal encontrarmo-nos tristes e frustrados, nostálgicos, com saudades. Mas temos de encarar a situação, tal como ela é. Dar a volta por cima.

Com a esperança de que sejam poucas mais as semanas que estaremos a ter aulas em casa de uma forma mais séria, que tal agirmos de uma forma mais determinada connosco mesmos? Criarmos uma rotina parecida com a que tínhamos em tempos ditos “normais”? Exigir de nós alguma disciplina e rigor?

Malta, no meio disto tudo, ganhámos mais um mês para nos prepararmos para os “assustadores” exames. E que tal aproveitarmos estes praticamente três meses (já não é tanto) que nos restam para darmos o nosso melhor, para os aproveitarmos muito bem e podermos sair desta reviravolta um bocadinho mais felizes e orgulhosos?

Pensem nisso.

Beijinhos de alguém que deste lado passa pelo mesmo

Colabora!

Este texto faz parte de uma série de textos de opinião de alunos do ensino secundário e superior sobre a sua visão do ensino e da educação.

Gostavas de publicar um texto? Colabora connosco.