(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Ainda não têm o diploma do ensino secundário na mão, mas já sonham em visitar África durante o seu gap year. Pedro Gonzaga, de 17 anos, e Simão Gonçalves, de 18 anos, são os vencedores do Concurso Gap Year Portugal com o projeto “Sou(me)thing”.

O dia em que souberam da existência do concurso marca a data em que começaram a trabalhar nele. São colegas de secundário, ambos da área das Ciências e Tecnologia, e garantem “que não faria sentido nenhum partir numa aventura destas com outra pessoa”. O Pedro estuda muito, mas não se quer fechar na caixa de estudante. Toca guitarra, escreve textos humorísticos e gosta “de se sentir um peixe fora de água”. O Simão devora livros, joga futebol desde os 5 anos e descreve-se como uma pessoa com uma “vontade infinda de conhecer”.



Na altura, várias ideias surgiram, mas foi sob o mote “Sou(me)thing) que construíram o seu gap year. “Por um lado, “Southing” simboliza, além do nosso rumo ao sul do continente africano, a viagem que consideramos ser ‘o nosso sul’, a nossa verdadeira essência. O ‘me’ aparece entre parenteses porque, na nossa viagem não pretendemos ser os protagonistas”, esclarecem na sua candidatura. A explicação do nome não fica por aqui já que, lido em voz alta, assemelha-se à palavra something. “Nós vamos à procura de algo, algo ainda desconhecido para nós”.

Durante cerca de 8 meses, os dois jovens de Ansião e Avelar, no distrito de Leiria, vão passar pela Tanzânia, Zâmbia, Moçambique, Botswana, África do Sul, Namíbia e Angola. O plano é ficar cerca de um mês em cada país, num registo low cost, recorrendo, sempre que possível ao couchsurfing e às boleias. “Temos consciência de que não é fácil viajar em África, mas acreditamos que, viajar assim, vai permitir-nos um contacto mais genuíno e próximo da cultura de cada país”, defendem.

Em cada país vão integrar missões de voluntariado nas áreas da educação, sustentabilidade e artes, e fazer work exchange (trabalho a troco a alimentação e alojamento) em quintas e comunidades. Tencionam, ainda, ter outras experiências que não poderiam ter em Portugal como visitar parques e reservas naturais, na Tanzânia e no Botswana, nadar com tubarões na África do Sul, e andar de 4×4, no vale de Sossusvlei, na Namíbia.

A data prevista de partida é no dia 18 de setembro, no mês em que o Pedro completa 18 anos. Prometem partilhar a sua odisseia num blog e no Facebook e Instagram @soumething, que contará com reflexões diárias e várias rubricas ligadas à gastronomia, às anedotas locais, ao voluntariado e às opiniões dos nativos.

Este projeto é o resultado da 5ª edição do Concurso Gap Year Portugal, um concurso promovido pela Gap Year Portugal, em parceria com a Fundação Lapa do Lobo, que oferece uma bolsa até 6.500€ aos vencedores.