É preciso o ensino secundário completo e fazer exames nacionais para frequentar o ensino superior? Não!

Falta praticamente uma semana para o fim da apresentação das candidaturas à 1.ª fase do concurso nacional ao ensino superior público. Tens aqui todo o calendário e aqui todas as nossas dicas para as candidaturas caso estejas em condições de concorrer a esta fase.

Mas este artigo não se dirige a esses. Há um conjunto de alunos a quem esta candidatura lhes está vedada e é a esses casos, que nos chegam diariamente por e-mail e mensagens na página de Facebook com algum receio de exporem a sua situação, que lhes decidimos dar uma ajuda.

Vamos então esclarecer quem são os alunos que devem considerar as opções que listamos em baixo:

  • Caso 1: estudantes que não tenham conseguido concluir o curso do ensino secundário que frequentam ou alguma habilitação legal equivalente. São recorrentes os casos que nos chegaram dos alunos que não conseguiram concluir a disciplina de matemática, graças ao exame nacional que teve um nível de dificuldade considerado por alguns professores muito elevado.
  • Caso 2: estudantes que não conseguiram obter nos exames nacionais classificações suficientes para serem utilizadas como prova de ingresso para os cursos que queriam.
  • Caso 3: estudantes que não tenham conseguido satisfazer os pré-requisitos fixados pela instituição.
  • Caso 4: estudantes que não tenham conseguido obter uma nota de candidatura igual ou superior à classificação fixada pela instituição superior.

Para os estudantes que se encontrem nestas situações, mas mesmo assim queiram prosseguir para o ensino superior como forma de não ficarem parados, ou até de encontrarem formas alternativas de entrarem no curso que querem, têm duas opções: os Cursos de Especialização Tecnológica e a frequência de Disciplinas Isoladas ou do Ano Zero. Vamos explicar cada um deles.



 

Cursos de Especialização Tecnológica (CET)

O Curso de Especialização Tecnológica (CET) é uma formação pós-secundária não superior que te dá uma qualificação do nível 5 e um Diploma de Especialização Tecnológica. É um curso que conjuga uma formação secundária, geral ou profissional, com uma formação técnica pós-secundária.  Caracterizam-se por:

  • Ser uma formação técnica de alto nível;
  • Resultar numa qualificação que inclui conhecimentos e capacidades de nível superior;
  • Não exigir, em geral, o domínio de fundamentos científicos;
  • Adquirir capacidades e conhecimentos que te permitem assumir responsabilidades de criação, direção e ou gestão.

Quem pode candidatar-se?

  1. Estudantes que tenham obtido aprovação em todas as disciplinas do 10.º e 11.º e que tenham estado inscritos no 12.º de um curso de ensino secundário ou de habilitação legalmente equivalente e não o tenham concluído;
  2. Estudantes titulares de uma qualificação profissional do nível 3;
  3. Estudantes titulares de um curso secundário ou de habilitação legalmente equivalente;
  4. Os titulares de um diploma de especialização tecnológica ou de um grau/diploma de ensino superior que pretendam a sua requalificação profissional.
  5. Podem também candidatar-se a um CET num estabelecimento de ensino superior, os indivíduos com idade igual ou superior a 23 anos, aos quais, com base na experiência, sejam reconhecidas capacidades e competências que os qualifiquem para o ingresso no CET em causa.

Que vantagens tem?

  • Equivalência ao 12º ano, pelo que pode ser uma alternativa para o concluíres caso não o tenhas feito.
  • Acesso ao Ensino Superior através do concurso especial para titulares de Cursos Superiores, Médios ou Diploma de Especialização Tecnológica.
  • Obtenção de um diploma de especialização tecnológica e de um curso de Nível 5.
  • Possibilidade de obteres créditos caso entres depois num curso do ensino superior e a instituição em causa assim o decida.
  • Acesso às bolsas e ao alojamento por estares abrangido pela ação social escolar do ensino superior.
  • Valorização pessoal e profissional.

Como qualquer outro curso superior, este também tem propinas associadas.

 

Informação

De acordo com o disposto no n.º 3 do artigo 42.º do Decreto-Lei n.º 43/2014, de 18 de março, não são admitidos novos alunos em CET ministrados por instituições de ensino superior a partir do ano letivo de 2015-2016, inclusive. Como alternativa, sugerimos explores os novos cursos com a leitura deste artigo: Os Cursos Técnicos Superiores Profissionais são para mim?



 

Ano Zero ou Disciplinas Isoladas

Caso queiras logo avançar para o curso em que estás interessado, mesmo sem condições de aceder pelo concurso nacional de acesso, existe a possibilidade de realizares algumas unidades curriculares desse curso. É o que se chama Disciplinas Isoladas. No entanto, terás sempre de voltar a concorrer no próximo ano da forma tradicional, sendo que ficarás já com as disciplinas feitas que conseguires concluir este ano.

Algumas universidades, inclusive, criaram o que chamam de Ano Zero. Isto mais não é do que a oportunidade de fazeres as tais disciplinas isoladas já do curso que queres frequentar, e a isso aliam um apoio às disciplinas em que terás de realizar exame nacional novamente para aceder a esses mesmos cursos no ano seguinte.

A quem se destina?

  1. Estudantes que, tendo concluído o 12º ano com classificação positiva nos exames das provas de ingresso não conseguiram entrar no curso que queriam
  2. Estudantes que, tendo concluído o 12º ano com classificação positiva não conseguiram a nota que precisavam nas provas de ingresso.
  3. Estudantes que ficaram com uma ou duas disciplinas por concluir, especialmente se se tratar das disciplinas pedidas como provas de ingresso em que o Ano Zero inclui apoio nas mesmas.

As condições de candidatura são definidas pelas instituições, pelo que deverás sempre consultá-las.

Que vantagens tem?

  • Começas já a adiantar o curso que pretendes frequentar no ano seguinte.
  • Apoio no estudo, no caso do Ano Zero, para os exames nacionais que servem como prova de ingresso ou que precisas para concluir o ensino secundário.
  • Começares a perceber se o curso dos teus sonhos é o que esperavas que fosse em termos dos conteúdos.
  • Integração no ensino superior facilitada no ano seguinte, por o aluno já conhecer o funcionamento do curso e da universidade em causa.

Mas voltamos a referir porque é importante: nesta modalidade terás de garantir no próximo ano que consegues entrar no curso com as mesmas regras que te impediram a entrada este ano. Pelo que terás sempre de ter isto em mente durante este ano.

Onde existe o Ano Zero ou o acesso a Disciplinas Isoladas? 

A lista atualizada poderá ser consultada no novo artigo: Ano Zero ou como frequentar o superior sem entrar no curso.

Estás numa destas situações? Deixa o teu comentário!