Praxe: Só quem a vive é que a sente

Há um ano estava a entrar na faculdade e a começar uma das melhores fases da minha vida, também foi há um ano que fui praxada pela primeira vez e posso dizer que cada momento daquele dia ficará gravado para sempre na minha memória, naquele momento digo-vos que não gostei, mas hoje dava tudo para poder vivê-lo outra vez. O primeiro dia foi uma mistura de entusiasmo com medo, porque tudo era novidade, tudo! Não gostei, mas houve algo que me fez ficar, não foi o medo da exclusão, mas sim o facto de pensar que não se desiste à primeira vez só porque algo não é fácil. Então fui o segundo dia, o terceiro, o quarto e fiquei até ao fim, vivi cada momento com uma intensidade, cantei e gritei até ficar sem voz, fiz amigos que vou levar para a vida e sim, foi o melhor ano da minha vida!

Ao contrário do que se diz, a praxe ensina tanto, desde que seja ensinada pelas pessoas certas. O mais bonito sobre a praxe é a união e a solidariedade que crias com pessoas que não conheces, mas estamos ali todos para o mesmo e isso é tudo o que importa. A parte da hierarquia faz todo o sentido, porque todos nós sabemos (ou deveríamos saber) que devemos guardar respeito aos mais velhos, o respeito é fundamental e, por isso, é que é tão exigido na praxe.



Todas as vezes que estive de joelhos/quatro, que fiz vénias, que levei um sermão por me esquecer de fazer ou dizer algo, fiz porque quis, ninguém me obrigou a lá estar, foi uma escolha minha, por esse motivo tive que respeitar aquela que era a tradição e não querer mudá-la ou então criticar, porque todos os doutores passaram pelo mesmo, todos são caloiros antes de serem doutores, por isso a praxe é igual para todos e quem praxa também foi praxado.

A praxe é união, respeito, solidariedade, amizade, igualdade, lealdade, orgulho, felicidade, exigência, não é fácil, mas é para sempre! Dura Praxis Sed Praxis. Só quem a vive é que a sente. Assim é a praxe e que assim seja sempre, sem praxe difícil a vida académica não seria tão fácil. Com ela cresci, vive tantos momentos incríveis desde que vesti pela primeira vez a sweat do meu mui nobre instituto até ao dia em que trajei pela primeira vez, impus a insígnia, passei a tribuna e deixei de ser caloira. Cada momento valeu por tudo, as coisas menos boas da praxe são tão irrelevantes perante as coisas tão boas que ela nos oferece. Os doutores não são os mauzões, são sim as pessoas que te vão mostrar da melhor forma o que é a praxe e que vão também te proporcionar um ano fantástico e único, muitas vezes são eles que vão estar do teu lado e te apoiar independentemente de tudo, assim como aqueles que são caloiros contigo, crias uma ligação com eles que não criarias se não fosse a praxe, é uma ligação única, são amizades para a vida, sem dúvida.

Não acredito que já passou um ano, vivia tudo outra vez, cada momento, mas agora vem aí uma nova fase na minha vida académica/praxística e espero conseguir transmitir àqueles que vêm pela primeira vez tudo aquilo que me transmitiram e continuar a aprender muito mais sobre a praxe, porque isto é o mais bonito que a praxe tem, todos os dias aprendemos algo de novo com ela.

Tudo o que desejo aos caloiros e a todos os que fazem parte desta é que sejam tão felizes na praxe como fui e como sou! Um obrigado á PRAXE e a todos que mantêm e respeitam a tradição, porque a praxe é para sempre!

Colabora!

Este texto faz parte de uma série de textos de opinião de alunos do ensino secundário e superior sobre a sua visão do ensino e da educação.

Gostavas de publicar um texto? Colabora connosco.