(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Estamos a viver um tempo em que a mediania é que prevalece, nas mais diversas áreas, nas mais diversas atitudes, até na nossa forma de estarmos e nos comportarmos.

E, estamos “numa” de tomar caminhos e opções que não se alumiam pelo mérito, pela qualidade, pelo fazer melhor para estarmos todos melhor, mas só e unicamente pelo “mal menor”.

E como um “mal nunca é um bem”, estamos “numa” de andar pelo que “vai dando, pelo assim-assim, talvez, e vivendo um dia de cada vez”, como se dissimuladamente assumíssemos não haver “futuro”!.



E nesta de destruir sem refazer, de anular sem edificar, em acharmos que os outros é que têm que resolver tudo por nós, e nós, deixarmos “correr”, claro que vamos alegremente andando de mal a pior.

Desde que nos levantamos até nos deitarmos, nada fazemos para “ajudarmo-nos e ajudar o outro” a estar/fazer melhor. Para quê? Um dia de cada vez! E já chega.

Pais e mães deixaram de lado, para amanhã – um dia de cada vez – a educação base dos eus filhos, arrumando-a para os professores, e estes que também são pais e mães procedem por certo de igual forma, e, todos, todos andamos a “abarrotar” o dia, na tal de “um dia de cada vez”. Numa de egoísmos, individualíssimos, antipatias, que nos fazem agir e reagir o por possível. “Tipo”, “género”, selvagens!

E como nos passou a ser muito difícil, saber pensar, fazemos fugas urgentes “em frente”, para estar ao nível dos comportamentos atitudes dos que nos rodeiam. E todos e a cada dia estamos pior que no dia anterior. E como ninguém tem culapas a não ser o “outro”, e o
“outro” é sempre o do lado que “chuta” mais ao lado, andamos “nisto” que é desfazer sem nada refazer.

E somos alegremente deseducados, não respeitamos regras dado acharmos que podemos fazer o que nos dá mais jeito, desde que nos agrade, sendo que o tal “outro” faz exactamente o mesmo que nós.

E vamos num crescendo do tal “mal menor”, de não apostar no mérito, na qualidade, de andar por ver andar os outros.

Claro que, chegados a este ponto e sem educação, hoje, e sem pais mães educarem – se calhar por já não saberem, ou nunca terem aprendido – os seus descendentes “no amanhã” – até por viverem um dia de cada vez – não parece que tenham bom futuro, dado que hoje já “isto” vai
uma desordem, deseducada!

Mas, talvez algum milagre tudo resolva. Ou nem por isso!

Colabora!

Este texto faz parte de uma série de textos de opinião de alunos do ensino secundário e superior sobre a sua visão do ensino e da educação.

Gostavas de publicar um texto? Colabora connosco.