Erros atrás de erros é o que tenho feito. Tenho 20 anos e continuo em casa, não porque queira mas sim porque ainda não fui aceite na Universidade.

É o que dá quando “idiota” é o nosso nome do meio.

Armei-me em burra, inteligente não fui senão não teria agido assim. Eu sempre achei que ia acabar a escola em 12 anos, mas acabei em 14. Fiz o Secundário numa área que afinal não era a que queria e, apesar de tirar negas nas disciplinas de Exame Nacionais os professores que me corrigiram os exames repararam no meu incrível talento e deram-me mais do que suficiente para passar.



Quando acabei finalmente o secundário foi altura de decidir o que queria fazer, tinha uma ideia tão fixa de concorrer a um CTeSP que nem sequer pensei na oportunidade de concorrer na 1ª Fase de Candidatura e assim foi. Lá se foi uma chance, uma de três que tinha. Quando saíram as colocações, e comecei a ver todos os meus amigos e o meu namorado a entrar, comecei a ver os cursos a que podia concorrer e decidi concorrer na 2ª Fase.

No dia em que me candidatei foi também o dia em que soube que fui colocada no CTeSP  mas, como tinha de fazer uma prova de avaliação de conhecimentos no dia seguinte, acabei por não ir para o curso.

E lá estava eu, confiante por entrar na 2ª Fase que não pensava no que fazer se não entrasse. Mas foi exactamente o que me aconteceu. Não entrei.  Nas minhas 6 hipóteses de escolha fui ultrapassada por décimas. Chorei, bastante até, pois não é muito agradável a sensação de não entrar, mas apercebi-me que não fui a única nesta situação. Aquilo aconteceu por uma razão e era altura de emendar o meu erro. Limpei as lágrimas e concorri na 3ª Fase.

A sorte não esteve comigo até agora, espero que amanhã ela apareça e me tire desta depressão. É horrível ficar em casa o dia todo sem nada para fazer, não sei como existem pessoas que tomam isto como “estilo de vida”. Não tem nada de interessante, acordo às horas que quero, não preciso de apanhar frio porque não tiro nem o pijama nem saio de casa e, limito-me a ver televisão e a fazer as tarefas diárias. E a comer, claro, que neste último mês troquei os meus maravilhosos abdominais por uma linda barriga onde posso pousar um copo em cima dela, sem cair… Quem é que no seu perfeito juízo diz que isto é BRUTAL? Isto sim, é uma BRUTAL SECA! Odeio isto, quem me dera a mim passar mais tempo ocupada na mente e a socializar e a desafiar-me diariamente.

A única forma que tenho feito para me sentir uma pessoa normal e não uma mulher das cavernas é a ir ao ginásio…. Lá sim, sinto-me como um animal no seu próprio Jardim Zoológico! Não em casa que o máximo de exercício que faço é a apanhar roupa do chão, ou treino de “zapping” com o comando da televisão.

Peço desculpa pela minha sincera opinião.

A quem se pode rever um pouco com esta história/situação não se deixem ficar deitados e levantem-se. Somos todos humanos, todos cometemos erros, só temos de encará-los e emendá-los. Se não for logo no momento, então que seja quando estivermos realmente prontos. Nós saberemos o momento certo, só temos de agir.

Colabora!

Este texto faz parte de uma nova série de textos de opinião de alunos do ensino secundário e superior sobre a sua visão do ensino e da educação.

Gostavas de publicar um texto? Colabora connosco.