(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

A informação foi partilhada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e ensino Superior que indica que já foram entregues mais de 66 mil kits de testes às instituições de ensino superior e científicas, e que o O “Programa de testagem CVP – Ensino Superior” obteve uma adesão significativa por parte das instituições. A Direção Geral de Ensino Superior desenvolveu um mapa para consulta dos pontos de testagem em cada universidade e politécnico, que está em constante atualização.

As universidades e politécnicos vão iniciar já esta semana o rastreio à COVID19 junto dos professores e outros funcionários, com os estudantes a serem testados numa segunda fase, depois do dia 19 de abril, data em que está previsto o regresso às aulas em modo presencial depois da interrupção do confinamento.

“O “Programa de testagem CVP – Ensino Superior” desenvolve-se conforme planeado aquando do seu lançamento pela Direção-Geral do Ensino Superior (DGES) e pela Direção-Geral da Saúde (DGS) a 19 de março, e insere-se na implementação de uma estratégia de rastreio no reinício das atividades presenciais nas instituições científicas e de ensino superior, levada a cabo em articulação com a Cruz Vermelha Portuguesa (CVP)”, refere o ministério.

Os 66 mil kits referidos já tinham sido entregues até à passada quinta feira, 8 de abril, e são testes rápidos de antigénio, tendo sido fornecidos pela Cruz Vermelha Portuguesa sem custos adicionais para as universidades e politécnicos.

O ministério avisa ainda que, tratando-se de um Programa que é dinâmico e que está em curso, as instituições continuarão a receber kits semanalmente, sempre que seja solicitado pelas mesmas.

Segundo o que está previsto, são as instituições de ensino superior, privado e público, que têm de garantir internamente as condições adequadas para a realização de testes. Os dados partilhados indicam que 17 instituições públicas (num universo de 36) e 25 privadas (num universo de 73) informaram já a DGES que têm os seus próprios recursos humanos e materiais para a realização da testagem à COVID19.

As restantes instituições científicas e de ensino superior vão ter apoio da CVP para a realização (na totalidade ou em parte) do rastreio à SARS-CoV-2 em estudantes, docentes, investigadores e colaboradores que desenvolvam a sua atividade presencialmente.

Está ainda contemplada no programa a formação de recursos humanos das próprias instituições para garantir a criação de condições adequadas à realização massiva dos testes. O ministério indica que, na última semana, 210 formandos inscreveram-se nessa formação online prestada pela CVP.