As Instituições de Ensino Superior vão poder arrendar ou acordar a cedência de imóveis vazios com o objectivo de aumentar a oferta de rendas acessíveis aos estudantes universitários. O programa é possível graças a um acordo com o Governo, que pretende aumentar os atuais 13% das necessidades que a oferta atual cobre ainda este ano.

A notícia é avançada pelo Jornal de Notícias, que refere que entre os mecanismos que permitirão às universidades garantir melhores condições aos estudantes está a possibilidade de fazerem “obras por conta própria, ampliando residências ou construindo novas”. Para isso, é disponibilizado o “apoio público do programa Reabilitar para Arrendar ou ao IFRRU 2020 (Instrumento Financeiro para a Reabilitação e Reconversão Urbana)”, como adianta o jornal.



Nesta primeira fase do programa de reabilitação já estão identificados 22 imóveis públicos nas cidades de Lisboa, Porto, Almada, Amadora, Braga, Bragança, Chaves, Coimbra, Faro, Guarda, Leiria, Macedo de Cavaleiros, Portalegre, Viana do Castelo, Vila Real e Viseu. A estas somam-se ainda quatro residências de estudantes, quatro pousadas de juventude, a antiga Escola Secundária D. Luís de Castro, em Braga, e o edifício do Ministério da Educação, na Avenida de 5 de Outubro, em Lisboa.

“O FNRE só avançará com obras nesses imóveis se a viabilidade económica estiver garantida. A Fundiestamo, gestora daquele fundo, terá dois meses para avaliar a aptidão dos 22 prédios já selecionados”, conclui o jornal.