Foto de DragonImages | Depositphotos.com

Vale a pena ir à 2ª fase dos Exames Nacionais?


A 1ª fase dos exames nacionais do ensino secundário acabou no passado dia 3 de julho. Com os resultados a serem divulgados na próxima segunda-feira, temos recebido várias dúvidas relativamente à 2ª fase de exames, e a utilização dos mesmos quer para efeitos de melhoria da Classificação Final da Disciplina, como para efeitos de prova de ingresso, na candidatura ao ensino superior. Valerá a pena repetir os exames nesta fase?

É o que vamos tentar responder neste artigo, separando o cálculo da Classificação Final da Disciplina da utilização do exame nacional como prova de ingresso.

Cálculo da Classificação Final da Disciplina

No seguimento das medidas excecionais tomadas pelo governo no contexto da pandemia, foi decidido que os exames nacionais deixaram de contar os 30% para a Classificação Final da Disciplina, contando apenas como prova de ingresso. Foi também decidido que seria possível realizar melhorias das classificações das disciplinas, tal como aconteceu nos últimos dois anos, após a inicial proibicão ter sido revertida no parlamento.

Neste sentido, no que toca à Classificação Final da Disciplina (CFD), os exames não têm qualquer efeito. A mesma foi calculada este ano a 100% com apenas a nota interna do aluno, alargando-se este benefício também aos que concluíram as disciplinas em anos anteriores com exames de 2020, 2021 e 2022.

Além disso, e com as medidas tomadas sobre as melhorias, podes também fazer melhoria com a nota do exame para efeitos de aceso ao ensino superior. Podes perceber neste artigo quais são os 2 tipos de melhoria de nota que existem com os exames nacionais.

Este ano não existem as melhorias do diploma, pelo que se precisas de melhorar notas para esse fim, nomeadamente porque precisas de entregar o diploma na candidatura de uma universidade estrangeira, a 2ª fase de exames não será uma alternativa. No entanto, existem as melhorias para efeitos de acesso ao ensino superior, como já foi referido, que são refletidas na ficha ENES, que é o documento que é usado na candidatura ao ensino superior em Portugal. Portanto, quem concorre cá, pode efetivamente melhorar as notas finais das disciplinas.

As melhorias realizadas na 2ª fase dos exames nacionais, sendo apenas para efeitos de acesso ao ensino superior, só terão efeitos na 2ª e 3ª fases de candidaturas. Depois de saírem as notas deverás pedir uma nova ficha ENES e essas notas estão incluídas.

Para acabar, deixamos o alerta que, caso devido a um exame da 1ª fase não consigas completar uma determinada disciplina, mas na 2ª fase já o venhas a fazer, ficas impedido de concorrer à primeira fase de candidaturas deste ano, uma vez que para efeitos desta fase não tens o ensino secundário concluído.

Utilização do exame como Prova de Ingresso

No caso da utilização do exame para satisfazer a prova de ingresso que um determinado curso pede, existem algumas alterações relativamente ao caso anterior.

Para a 1.ª fase de candidaturas, a classificação que vai ser considerada, de forma automática, para cada uma das tuas provas de ingresso, é a melhor das seguintes classificações do exame nacional correspondente à prova:

  • Classificação obtida na 1.ª fase de exames de 2023;
  • Classificações obtidas na 1.ª fase de exames de 2021 e de 2022;
  • Classificações obtidas na 2.ª fase de exames de 2021, 2022 e de 2023 em disciplinas que não integram o plano de estudos do teu curso de ensino secundário e cujo exame coincidia em dia e hora de realização com um exame da 1.ª fase efetivamente realizado por ti. Também são considerados exames realizados em 2ª fase de exames por motivos especiais, nomeadamente por alunos que estiveram infetados com COVID ou em isolamento profilático.

Ou seja, exceto em situações especiais bem justificadas (ver último ponto anterior), para efeitos da 1ª fase de candidaturas só podem ser usados como prova de ingresso exames das primeiras fases dos exames nacionais.

Para a 2.ª e 3.ª fases do concurso de 2023, a classificação que vai ser considerada, de forma automática, para cada uma das suas provas de ingresso, é a melhor das classificações do exame final nacional correspondente à prova obtidas na 1.ª ou na 2.ª fase dos exames de 2021, 2022 e 2023, podendo misturar exames das várias fases.

Exames anteriores a 2021 já não são válidos como prova de ingresso na candidatura via concurso nacional de acesso de 2023.

Perguntas frequentes:

  • Se for à 2ª fase dos exames nacionais fico impedido de concorrer à 1ª fase de candidaturas?

Não! Podes fazer a inscrição na 2ª fase dos exames nacionais, para teres essas notas como futuro plano B, e paralelamente concorreres à 1ª fase de candidaturas com os exames que já tens da 1ª fase de exames.

  • Se preferir não fazer melhorias agora na 2ª fase de exames, poderei fazer melhorias na 1ª fase de exames do próximo ano?

Sim! É uma escolha tua, podes preferir apostar tudo nos exames da 1ª fase, que são os que poderás usar como prova de ingresso na primeira fase de candidaturas, bem como nas fases de candidaturas seguintes.

  • Até quando posso fazer a inscrição na 2ª fase dos exames nacionais?

As inscrições para a 2ª fase de exames nacionais irá decorrer de 17 a 18 de julho. Consulta o calendário completo aqui.

Este artigo foi republicado com as datas e informações para o concurso de acesso 2023/2024.