Venho aqui contar-vos a minha história/luta que enfrentei para entrar na universidade!

No final do 3°ciclo vi-me obrigado (como todos os meus colegas) a escolher uma área mais específica de estudo. Desde cedo o meu sonho era ser engenheiro mecânico, e por isso só tinha duas escolhas ou ia para ciências e tecnologias ou ia para um curso profissional de mecânica.

A minha decisão foi difícil mas lá caí na tentação de ir logo para a área da mecânica (curso profissional), logo de início percebi que a teoria era pouca para o meu sonho de ser engenheiro mecânico, mas lá continuei porque adorava a prática.

No final do 10°ano tive 1 mês em estágio e aí percebi que não era aquilo que queria (trabalhar na produção de uma empresa), pois senti-me uma pessoa com muito poucos conhecimentos no mundo de trabalho. Decidi logo, quero ir para a universidade tirar Engenharia Mecânica!

Mas e agora? O que tenho de fazer? 3 exames? Bem, ou contínuo o curso e vou para explicações e faço os exames, ou perco 1 ano de escola e vou para ciências e tecnologias. A minha decisão foi outra vez complicada e voltei a escolher o curso para não perder 1 ano de escola e também porque não nado propriamente em dinheiro para me dar ao luxo de perder 1 ano.

Ok! E agora? Tenho exame de físico-química daqui a 1 ano e exame de matemática e português daqui a dois! Inscrevi-me logo em explicações de matemática e físico-química, pois a matéria de um curso profissional é tipo da primária.

Bem e chegou-se a Junho de 2016 altura do exame de físico-química, 7 meses de estudo intenso, mas era demasiada matéria para assimilar o que deveria ter dado em 2 anos.

Dia 13 de Julho de 2016, 8 valores no exame nacional! Desespero total, mas não desisti! Mas pensei logo, isto vai ser quase impossível: Ora bem 3 exames, 1 estágio numa empresa, mais um projeto de curso e um horário sobrecarregado a chegar todos os dias as 18h a casa até ao final do ano.

Mas pronto lá pôs mãos à obra logo em Agosto de 2016: continuar a preparação para o exame de Matemática A, retomar o estudo para o exame de Físico-química A e começar a ler umas coisitas para o exame de Português.

Lá começou o ano letivo e o tempo que me sobrava para estudar era tão pouco que eu nem sabia o que estudar! O curso não me dava muito trabalho mas ocupava-me o horário semanal quase por completo. Na verdade até me dava prazer andar o dia entretido com umas bricolagens na escola e depois chegar a casa e lutar pelo meu objetivo/sonho.

Mas rapidamente esse prazer passou quase a sofrimento, o dia na escola era cansativo e andar a ouvir bocas de alguns professores a desincentivarem-me na minha luta era complicado! Mas eu não quis saber do que os outros pensavam!

Durante aqueles tempos apeteceu-me muitas vezes desistir, ou por não estar a entender a matéria, ou por ter que me levantar as 7h da manhã ao fim de semana para estudar, ou porque chegava todos os dias a casa tarde da escola, era tudo a andar para trás. Eu basicamente quase nem tinha tempo para me vestir ou comer, mas o ditado é velho quem corre por gosto não cansa, mas a mim até cansava…

Chegou-se a JUNHO de 2017 provavelmente o mês mais complicado, mais decisivo, mais trabalhoso da minha vida! Era o exame de Matemática, era o exame de Físico Química, o de Português, o estágio numa empresa, a finalização do projeto de curso (foi restaurar uma máquina) e consequentemente um relatório, e eu pensei ou faço tudo e sou o maior ou não faço nada e vou ficar constrangido para o resto da vida.

Semana dos exames! Pedi folga no estágio mesmo contra a vontade do meu professor orientador que parecia que não queria que eu fizesse exames (e se calhar não queria mesmo).

Acabo de fazer o exame de matemática (o último) e penso que alívio! Mas depois ainda me lembro que tinha de ir trabalhar para acabar o estágio e tinha de entregar o projeto de curso e apresentá-lo e se calhar ainda tinha que ir à 2º fase dos exames nacionais!

Bem, mas lá acabei o estágio e passei na prova de curso embora que com uma nota muito baixa perante o que tinha feito, mas pronto só queria era passar nos exames!

13 de Julho de 2017 – 16 Valores no exame de Matemática A, 13 Valores no exame de Físico-química e a nota que precisava no exame de português para não me descer a média!

Ainda hoje não me acredito bem naqueles feitos, mas sinto-me realizado! Entrei em Engenharia Mecânica como sempre sonhei e não posso querer mais! Foram 2 anos terríveis sem saber o que é levantar tarde de manha mas acho que a recompensa foi merecida!

Acho que seria muito injusto contar esta história e não deixar os agradecimentos a quem devo: à minha professora de português que foi enorme! À minha explicadora de Físico-química que esteve sempre disponível para mim e à explicadora de matemática que teve sempre uma entrega e uma confiança brutal em mim! Aos professores do MathSuccess que me acolheram quando estava prestes a desistir e me tiraram tantas, tantas dúvidas…! E por fim e o mais importante à minha família e amigos que me apoiaram sempre, sempre, sempre principalmente à minha mãe que nunca deixou que eu desistisse!

Portanto estejam onde estejam, sejam quem sejam, possam ou não, mas façam-me um favor lutem sempre por aquilo que gostem porque só assim é que este mundo vai evoluir e pondo as pessoas certas nos lugares certos a fazer o que gostam! Porque quem faz o que gosta raramente trabalha.

Mesmo que pareça impossível não desistas, porque uma lição que esta etapa me deu foi que NÃO HÁ IMPOSSÍVEIS! Um grande abraço e sê feliz!

PS: a grande reforma na educação era acabar com o tipo de ensino dos cursos profissionais que não vale nada e retomar aos bons e velhos cursos Técnico-profissionais que tinham um ensino pratico e teórico de qualidade e permitia a qualquer aluno ingressar no Ensino Superior ou continuar para o mercado de trabalho como excelentes profissionais. Não interessa se és engenheiro ou doutor ou técnico, o que interessa é o que vales !

  • Nuno Costa

    E ainda dizem que é fácil, estou numa escola profissional e há professores e directores de turma que dizem “o ensino profissional não é pior ou melhor que o ensino regular, é diferente!”

    E usam aquele pretexto de que “podes seguir estudos e proseguir para a universidade” mas ninguem fala na “matematica B” e no quão é dificil de entrar na Universidade sem praticamente Matematica A.

    Não entendo e nem sei como há pessoas que ainda dizem que é igual, eu não acho que seja igual. Acho que é diferente e tem aspectos negativos especialmente para quem quer entrar na universidade, aspectos positivos? Acabas o 12º ano com curso e nivel 4 a nível europeu, enquanto os do regular isso já não acontece.

    No entanto os do regular estão bem mais preparados para o ensino superior que os do profissional.

    Vejo muitas pessoas a dizer que com o profissional podes entrar na universidade, sim é verdade podemos, mas e as materias que dão nos cursos? Pois é.

    Já vi tantos artigos, tantos comentários a contradizer uns aos outros. Outros dizem que é fácil e que é possível, e outros dizem que não é fácil e é dificil de conseguir entrar devido a materia que dão e orientam nos cursos.

    Afinal em que ficamos? Inclusive, já li vários artigos da Uniarea onde parece que “querem dar a entender que é possível num piscar de olhos” e depois leio outro artigo em que contradiz isso.

    Não levem a mal, como é óbvio. Quero ingressar no Ensino Superior, e vão pedir matematica A como raio vou conseguir entrar se tenho matematica B? Terei que fazer como o autor deste texto.

    Mas então porque dizem de forma tão “descarada” (professores etc do profissional) de que posso entrar na universidade é que nem falam nos exames nem na matematica A ou B.

    É pena, quero proseguir estudos mas estou a ver que matematica A vai ser umas dores de cabeça, não é impossível. Mas é doloroso.

    Afinal em que ficamos? Alguem aqui do ensino profissional conseguiu passar nos exames sem qualquer explicação de matematica ou outra prova qualquer?

    A ver se entendi? Se tiver uma media superior a 9,5 (dependendo do curso que quero entrar na universidade) não preciso de fazer os exames? Se tiver uma media de 14 ou 15 não preciso de fazer ou preciso de fazer os exames?

    • Adelaide Antão

      Boa noite,
      Fui aluna do Curso Profissional Técnico de Comércio e consegui entrar no ensino superior com uma boa média, o que praticamente se deveu ao facto de ter tirado boas notas no curso profissional.
      É o seguinte: primeiro de tudo tens de ver quais são os exames necessários a fazer para entrares no curso que queres, depois esses exames fazem média com a nota que tirares no curso. Ou seja, tens de te esforçar, é verdade, mas acaba por valer a pena. Eu fiz os exames de Português e Economia, embora só precisasse de um deles. Estudei bastante, mas não precisei de explicações, tudo isto enquanto tratava da PAP e estava em estágio. O exame de matemática A, deve ser o mais dificil, mas como não precisava não o fiz. Se te aplicares bem e for mesmo o que queres tenho a certeza que consegues, como eu, o autor do texto, e muitos outros alunos conseguiram. Também te garanto que depois do estágio entras na universidade com uma perspetiva completamente diferente dos restantes alunos e tens muita mais força para te empenhar afincadamente.
      Claro que, sejamos sinceros, quem ingressa num curso profissional devia ter em mente o mercado de trabalho. Se o teu caso é como o meu e mudaste de ideias a meio do curso, felicito-te pela coragem.
      Vai em frente, estuda muito. Se precisares de ajuda dos professores ao invés de ires a explicações, eles com certeza não te vão dizer que não. Esforça-te e vais ver que consegues!